Morro de São Jerônimo – Parque nacional Chapada dos Guimarães

O ‘Morro de São Jerônimo’ foi reaberto para visitação dia 01/04/2010. Desde então o acesso tem sido possível apenas com guia de turismo e agendamento prévio. A Chapada Explorer está autorizada a realizar este passeio e conta com diversos guias experientes.

O Morro de São Jerônimo fica localizado na borda sul do parque nacional de Chapada dos Guimarães, com ampla vista de 360º, para toda a planície pantaneira, Morro do Quebra Gamela e paredões da Chapada. É um dos pontos mais altos da região, com mais de 800 metros acima do nível do mar. Além disso, é um ‘morro testemunho’, como chamam os geólogos: uma formação que resistiu às intempéries do tempo e forma um maciço gigantesco, como se fosse uma ilha.

Caminhar até o alto do Morro de São Jerônimo é um dos mais belos passeios no parque nacional, passando por formações rochosas sugestivas da formação Furnas, como o jacaré de pedra, além de possibilitar a visualização da vegetação típica do cerrado durante o trajeto. São cerca de 15 km entre ida e volta, com uma mini escalada para subir o Morro de São Jerônimo. Lá do alto a vista compensa todo o esforço e brinda o visitante com um cenário inesquecível.

O nome Morro de São Jerônimo tem origem nos bandeirantes paulistas que acamparam naquela região nos idos de 1718. Segundo a história, as bandeiras chefiadas por Antonio Pires de Campos e a bandeira chefiada por Bartolomeu Bueno se encontraram na região e se esconderam juntos de uma tempestade no sopé do morro. Clamavam por São Jerônimo e Santa Bárbara.

O nome indígenaé BOKODORIRI e tem origem bororo. O significado tem a ver com o animal Tatu Canastra.

Olhando bem de longe, da planície, e dependendo do ponto de onde esteja observando, é possível ver perfeitamente o tatu no alto dos paredões. Para os nativos da planície o nome é apenas ‘a pedra’.

No alto do Morro de São Jerônimo é possível encontrar pequenas hematitas, rochas bastante ricas de minério de ferro. Com o tempo estas pedras adquirem um brilho reluzente como se fossem polidas. Em muitas destas pedras estão gravadas a impressão de uma concha marinha. São fósseis de um tempo remoto e fazem parte da camada rochosa superior chamada Ponta Grossa.

*A chave na foto serve para indicar o tamanho das marcas das conchas gravadas na rocha

Para quem gosta de caminhadas na natureza, o trajeto ao Morro de São Jerônimo é um dos destinos  mais ricos e impressionantes do parque nacional, além do prazer de vencer o desafio dos 16 km e a subida ao Bokodiriri.

Deixe uma resposta